Saltar diretamente para o conteúdo

Voltar à página anterior. Gravura

“I – A Política: a Grande Porca”

Publicado em A Paródia, 17.01.1900
Rafael Bordalo Pinheiro

MRBP.GRA.2970 © Museu Bordalo Pinheiro, Lisboa

Página d’ A Paródia fundada em 1900 por Rafael Bordalo e seu filho Manuel Gustavo. O novo jornal, que veio substituir O António Maria, era publicado semanalmente e dava conta, através da caricatura e do cartoon, dos principais acontecimentos políticos e sociais de então.

Sob o título “A Política: a Grande Porca”, Bordalo inaugura uma série de zoopolítica onde os grandes vícios da política e das instituições nacionais são transfigurados em animais. Aqui, a política é representada como uma grande porca que amamenta uma ninhada de bacorinhos, cada um deles representando partidos políticos e seus membros, identificados por siglas nos respetivos traseiros.
Litografia publicada em A Paródia, a 17 de janeiro de 1900.

Entre outros animais, surge “o grande cão” – a finança, “a gallinha choca” – a economia, “o grande papagaio” – a retórica parlamentar, “o grande caranguejo” – o progresso nacional, “a grande rata” – a burocracia ou “a grande burra” – a instrução pública. Sempre com muito humor, estes desenhos fizeram uma crítica mordaz ao estado da Nação.

No centenário da morte da Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro, que se comemora em 2020, o Museu Bordalo Pinheiro lança um dossiê especial dedicado à vida e obra do artista, filho de Rafael Bordalo Pinheiro. Pode aqui encontrar livros, catálogos e ainda uma exposição virtual dedicada ao autor na recém lançada página do Museu no Google Arts & Culture.