Voltar à página anterior Exposição Temporária

Um sonho. Bordalo e a Fábrica de Faianças

11 de Julho a 15 de Setembro de 2019

Na segunda metade do século XIX, o desenvolvimento urbano e novos hábitos de consumo criavam condições para um mercado crescente de indústria cerâmica de qualidade e modernizada, que afirmasse a identidade nacional.

A criatividade artística de Rafael Bordalo Pinheiro, o seu interesse pelo movimento “arts and crafts”, o imaginário e o exímio saber-fazer dos oleiros caldenses configuravam uma conjuntura favorável a uma produção em série com rara singularidade estética.

Os Estatutos da Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, aprovados em 24 de Outubro de 1883, definiam como objectivos a inovação da indústria cerâmica e a aproximação a uma qualidade de produção internacional. Desde logo, contemplavam a hipótese do “ensino profissional da especialidade da sua indústria, ensino de desenho e primário aos operários e filhos d’estes”. Eram vantagens as boas argilas e a qualidade das águas das Caldas da Rainha, a originalidade da olaria tradicional e as aptidões dos oleiros locais.

Rafael era nomeado director artístico, responsável pelos trabalhos de escultura, desenho e pintura. A gestão e administração era assumida pelo seu irmão Feliciano, mentor do projecto de fundação desta indústria no seio de uma Sociedade Anónima. A Escritura da Fábrica foi efectuada a 30 de Junho de 1884.

Assim nascia o sonho.

Numa fábrica que foi escola e laboratório de pesquisa, ganha forma um sonho que se procura transmitir aos aprendizes e operários. É, de facto, um projecto colectivo que estimula uma imaginação prodigiosa, proporciona aprendizagens recíprocas e o desenvolvimento de especialidades em diferentes funções, como as de formista, rodista, modelador, pintor e director artístico.

Aprendizes e operários têm, assim, a oportunidade de partilhar com o mestre esta aventura da criação e da produção de uma cerâmica que sobrevive até aos nossos dias.

Esta exposição pretende homenagear o seu trabalho sobretudo através de documentação fotográfica e de outras peças pertencentes à colecção do Museu Bordalo Pinheiro. Conta também com peças em chacota da Fábrica Bordallo Pinheiro e imagens do seu acervo.

À esquerda, operários e aprendizes com Rafael Bordalo Pinheiro na Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, 1888. À direita, o artista e os seus colaboradores, 1889.

Folha de sala

Curadoria Cláudia Freire
Colaboração José Neves – CICANT – Universidade Lusófona; LABTEC – laboratório de prototipagem – Universidade Lusófona; Fábrica Bordallo Pinheiro; Arquivo Distrital de Leiria.
Inauguração
10 de Julho, às 18h30 // Entrada livre neste dia
Datas
11 de Julho a 15 de Setembro  
Horário
3ª feira a Domingo, das 10h00 às 18h00 
Informações
bilheteira@museubordalopinheiro.pt // T. 215 818 544/0