Saltar diretamente para o conteúdo

Voltar à página anterior. Exposição Temporária

Não ria. O humor é um assunto muito sério

100 anos de SAM

31 de Janeiro a 19 de Maio de 2024

No passado dia 31 de janeiro, o Museu Bordalo Pinheiro inaugurou a exposição Não ria. O humor é um assunto muito sério: 100 ANOS DE SAM.

A exposição, dividida em duas partes, celebra o centenário do nascimento de SAM, ou Samuel Azavey Torres de Carvalho (1924-1993), que faria 100 anos no próprio dia 31 de janeiro de 2024.

A inauguração abriu com uma conversa em torno da obra de SAM, que contou com a participação de Luís Afonso, Nuno Artur Silva e Nuno Saraiva, e com moderação de Fernando Alvim.

SAM foi um artista mutifacetado, tendo-se destacado na área do cartoon, das artes plásticas e da escultura. Para o historiador José Augusto-França, o artista introduziu “uma dimensão nova na arte portuguesa [nos anos 70]: o Humor”, pensando nas décadas cinzentas do Estado Novo. Já o realizador António-Pedro Vasconcelos, disse uma vez que falar de humor nos anos 70 do século XX “era falar de Herman, de Miguel Esteves Cardoso e de SAM”.

É esse humor que caracteriza a obra de SAM, muitas das vezes subtil e absurdo, que pretendemos revelar nesta exposição-tributo.

A exposição, produzida em parceria com a família de SAM, é composta maioritariamente por cartoons (do saudoso Guarda Ricardo a Margueritte), colagens e desenhos originais, e integra ainda algumas esculturas e quatro Filmezinhos do Sam (RTP, 1989), interpretados por Mário Viegas e Vítor Norte.

Esta exposição tem duas partes. A primeira parte, decorre entre 31 de janeiro e 24 de março; a segunda, entre 26 de março e 19 de maio. Nesta segunda parte, cerca de 40 cartoons expostos na primeira parte serão substituídos por outras quatro dezenas de desenhos originais.

Sobre SAM

SAM, ou Samuel Azavey Torres de Carvalho, nasceu a 31 de janeiro de 1924, em Lisboa. Estudou Engenharia Civil, também na capital, e Arquitetura, em Lausanne, na Suiça, tendo-se dedicado ao design industrial durante vários anos.

Podemos dizer que é um artista serôdio, pois começa a dedicar-se mais intensamente às artes plásticas só a partir de 1968, com 44 anos, em especial à escultura e ao desenho humorístico.

De entre o rol de personagens que SAM celebrizou, destaca-se o Guarda Ricardo, que nasce em 1971 no Notícias da Amadora. Desde então, os cartoons de SAM passam a marcar presença habitual na nossa imprensa: Expresso, Diário de Notícias, A Capital, Público e Jornal Novo. E surgem outras personagens marcantes, como Heloísa ou Margueritte.

O humor e sátira de SAM também encontram expressão nas Artes Plásticas, através da criação de objetos absurdos, tais como funis, cadeiras, torneiras ou enxadas que se metamorfoseiam e ganham novos significados. Quem hoje passeia pelo Campo Grande, em Lisboa, não ficará indiferente à fonte-escultórica Infância. Muitos se lembrarão dos “Filmezinhos do SAM”, com Mário Viegas e Vítor Norte, que em 1989 fizeram rir os telespetadores do Canal 1 da RTP em horário nobre.

SAM disse-nos adeus a 20 de fevereiro de 1993, deixando-nos cerca de seis mil cartoons, um milhar de objetos artísticos e dezenas de livros.

SAM.

Inauguração
31 de janeiro (quarta-feira) de 2024, entre as 18h00 e as 20h30
A entrada na inauguração é livre

Datas
De 31 de janeiro a 19 de maio de 2024
Primeira parte: entre 31 de janeiro e 24 de março
Segunda parte: entre 26 de março e 19 de maio

Horário
3ª feira a domingo, das 10h00 às 18h00 

Comissariado
Tiago Guerreiro (Museu Bordalo Pinheiro)

Informações
bilheteira@museubordalopinheiro.pt // T. 215 818 544/0

Apoios
A Casa do Arrabidine
ANEBE – Associação Nacional de Empresas de Bebidas Espirituosas
RTP Arquivos

Ver Folha de Sala